Cursos disponíveis

Disciplina: Lesões osteomioarticulares
Docente: Profo. Dr. Mario Amorim
Carga Horária: 30 horas


Ementa:
Estudo das principais lesões musculoesqueléticas no esporte. Formas de cuidar e prevenir as lesões através do treino de musculação.


Objetivos:
- Conhecer as principais lesões musculoesquelética do esporte e as formas de tratamento através dos exercícios resistivos.

Metodologia:
- Expositivo e de apresentação corporal
- Ativa e dinâmica
- Dialogada

Avaliação:
- Trabalhos em grupos
- Avaliação ativa (exposição oral)
- Avaliação dialogada

Bibliografia:
Stephenson J. Core training: designing a program for anyone. Strength Cond J 2004;26(6):34-37.
Dias, Kalysson Araujo. Treinamento funcional: Um novo conceito de treinamento físico para Idosos.
Cooperativa do Fitness.

Swanik KA, Swanik CB, Lephart SM & Huxel K. (2002) The effect of functional training on the

incidence of shoulder pain and strength in intercollegiate swimmers. Journal Sport Rehabilitation; 11.

140-154

Treinamento Funcional e Pilates:


Através do TF conseguimos:

  • Aumentar a Força Muscular
  • Melhorar a Mobilidade Articular
  • Melhorar a Flexibilidade
  • Devolver a Funcionalidade da Região Lesionada
  • Trabalhar Movimentos Funcionais

O Pilates possui um foco parecido, porém na estrutura que chamamos de Power House. Lembrando que eles não são a mesma coisa, como explicarei um pouco mais para a frente.

De qualquer maneira, os dois trabalham focando na ativação de um grupo muscular bastante parecido. Assim os exercícios de TF tornam-se muito eficientes no Pilates. O mesmo acontece se fizermos o contrário e usarmos movimentos do Pilates no Funcional.

Vemos assim como Pilates e Funcional realmente são compatíveis. Até seus exercícios possuem objetivos parecidos. Veja por exemplo os exercícios abdominais que usamos no Funcional. Seus objetivos são bastante parecidos de outros movimentos do Pilates.

Por que Pilates e Treinamento Funcional são a Combinação Perfeita?


Será que sua aula ficaria mais completa usando Pilates e Treinamento Funcional (TF)? Essas são duas modalidades extremamente completas, mas muita gente ainda acha que não podem ser trabalhadas juntas.

Ao contrário do que muitos, especialmente nossos alunos, pensam, o funcional não é só para quem já tem bom condicionamento físico. E o Pilates também não serve só para pessoas lesionadas, suas aulas podem ser bastante intensas.

Então por que tantos instrutores isolam as modalidades e deixam de aproveitar seus benefícios? Nesse artigo mostrarei como Pilates e Treinamento Funcional são compatíveis. Você aprenderá um pouco mais sobre o funcional e como seus conceitos se encaixam com os princípios de Método.

Também ensinarei como incorporar exercícios funcionais na sua aula de Pilates naturalmente. Está pronto para aprender tudo isso? Então continue lendo e comece a usar o funcional nas suas aulas logo!

Benefícios do Treinamento Funcional na Reabilitação

A maioria dos Studios de Pilates eventualmente acaba cheio de alunos lesionados ou com patologias. O motivo é bem simples, o Método é extremamente eficiente para a reabilitação. Por isso, muita gente fica em dúvida se pode ou não usar Treinamento Funcional e Pilates para esse fim.

Como praticante e instrutor de funcional, consigo te dizer que ele pode sim te ajudar a reabilitar seus alunos!

Quando alguém se lesiona ele perde movimentos funcionais e fica limitado por causa da dor. Nossa intenção como profissionais do movimento é ajuda-lo a reconquistar sua funcionalidade. E é exatamente esse o objetivo do funcional.

Através do TF conseguimos:

  • Aumentar a Força Muscular
  • Melhorar a Mobilidade Articular
  • Melhorar a Flexibilidade
  • Devolver a Funcionalidade da Região Lesionada
  • Trabalhar Movimentos Funcionais

Como podemos trabalhar movimentos similares àqueles praticados no dia-a-dia o aluno consegue voltar de maneira mais eficiente. Ele fica capaz de se mover mesmo sem nossa supervisão mais tarde.

Ou seja, os exercícios funcionais são ótimos aliados na reabilitação. Assim, você pode deixar de ter medo de incluí-los na aula. Eles só vão te ajudar a melhorar ainda mais seu atendimento.

O que o Treinamento Funcional traz para a Aula de Pilates?

O Pilates possui tantos benefícios que é difícil imaginar porque um instrutor iria querer inserir outra modalidade na aula. Então por que eu dedicaria um artigo inteiro ao uso do Pilates e Treinamento Funcional, não é mesmo?

Na verdade, essas duas modalidades são complementares. O que muita gente vê como uma oposição nem chega perto disso. O funcional consegue trazer diversos benefícios para suas aulas, como você verá a seguir.

Comecemos lembrando que o TF trabalha com padrões de movimento. Esses padrões são um conjunto de movimentos que combinados tornam-se um gesto motor que o aluno usa em diversas situações. Vamos para um exemplo: o agachamento.

Ele é um desses padrões usados no funcional. Ele combina movimentos de quadril, joelho e tornozelos e também é extremamente prático. Isso porque nós agachamentos praticamente o tempo todo. Sentando na cadeia, entrando no carro ou abaixando para pegar algo, tudo segue o padrão do agachamento.

Então se meu aluno souber agachar com eficiência ele também estará pronto para essas situações diárias. Sabe aquele seu aluno idoso que “trava” quando vai abaixar para pegar algo? Trabalhar agachamento com ele seria uma ótima ideia.

Também conseguimos trabalhar diversas características essenciais do corpo usando treinamento funcional e Pilates. Entre elas temos:

  • Força
  • Potência
  • Flexibilidade
  • Mobilidade
  • Estabilidade

“Mas o Pilates também trabalha isso”.

Trabalha mesmo. Mas os exercícios funcionais possuem alguns diferenciais, especialmente quanto aos planos de movimento utilizados. Como a intenção é trabalhar de maneira global, o TF tem exercícios em praticamente todos os planos. Aqui é um bom diferencial do Pilates, que costuma trabalhar mais no plano sagital.

Também temos exercícios funcionais que incorporam saltos e deslocamentos laterais, tornando-o mais dinâmico que o Pilates.

Claro que usando só o funcional você dificilmente conseguirá a excelência de movimento do Pilates. Porém trabalhando Pilates e Treinamento Funcional isso é fácil de alcançar.

Posso usar todos os Movimentos do Treinamento Funcional na Aula?

Também chamamos os exercícios do TF de exercícios funcionais, certo? Você já sabe o motivo. Eles são transferíveis para atividades fora da aula e preparam o aluno para se mover com segurança.

Nesse caso, por que eu deixaria de usar um exercício funcional em aula?

Existem muitos alunos – especialmente os que têm patologias ou lesões – com bloqueios para se mover. O médico diagnostica a patologia e já diz “você não pode mais agachar”. Mas nós sabemos que não é bem assim.

Esse aluno pode sim fazer um agachamento, só precisa de uma preparação especial. E isso o Pilates consegue fornecer com muita qualidade através da melhoria de mobilidade e força.

Os exercícios funcionais só têm restrição quando o aluno possui desequilíbrios que o impeçam de fazê-los. Se você resolver simplesmente não usar esse movimento as compensações continuarão lá.

Será que estamos realmente resolvendo o problema do nosso aluno tirando o agachamento da aula? O melhor talvez fosse avaliar seu corpo e descobrir quais problemas de mobilidade, instabilidade e fraqueza muscular impedem o movimento.

De qualquer maneira, sim todos seus alunos podem fazer exercícios funcionais.

É claro que na hora de fazer exercícios avançados você precisa considerar se o aluno realmente está preparado para ele. Como movimentos avançados exigem maior equilíbrio, propriocepção e coordenação motora muitas vezes é preciso preparar o corpo.

A preparação pode ser feita tanto com exercícios funcionais simplificados quanto com exercícios de Pilates. Tudo depende da preferência do instrutor e sua especialidade. E você ainda pode usar uma grande variedade de equipamentos e acessórios para esses exercícios!

Como usar Treinamento Funcional e Pilates na mesma Aula?

É claro que pode. O Pilates é uma modalidade igualmente completa. Quem acha que ele é muito “leve” para comparar com o TF só pode nunca ter praticado. Eu inclusive recomendo que você inclua alguns exercícios de Pilates na sua aula.

Eles auxiliam na hora de deixar seu aluno mais flexível e móvel. Podem ser inclusive mais eficientes que muitos movimentos do funcional para esse objetivo. É claro que você precisará provavelmente adaptar os acessórios e equipamentos para sua aula.

Eu costumo recomendar que os instrutores que queiram usar o Pilates dentro da aula de funcional invistam em faixas elásticas. Elas te ajudam a simular a resistência das molas dos equipamentos de Pilates e possuem uma graduação de resistência. Você pode inclusive conferir um guia para adaptar exercícios para a faixa elástica aqui.

O que é Holístico:

Holístico ou holista é um adjetivo que classifica alguma coisa relacionada com o holismo, ou seja, que procura compreender os fenômenos na sua totalidade e globalidade.

A palavra holístico foi criada a partir do termo holos, que em grego significa "todo" ou "inteiro".

O holismo é um conceito criado por Jan Christiaan Smuts em 1926, que o descreveu como a "tendência da natureza de usar a evolução criativa para formar um "todo" que é maior do que a soma das suas partes".

Esta noção remete para uma forma específica de contemplar o mundo e que pode ser aplicada em várias vertentes do conhecimento, como medicina, psicologia, física, administração, ecologia, etc.

O holismo divide a natureza em três áreas: a psicosfera e biosfera. De acordo com essa teoria, as leis químicas e físicas constituem exceções das leis biológicas.

No âmbito da medicina, a holística é uma forma de terapêutica que tem metodologias distintas da medicina convencional. Atualmente existem vários centros de terapia holística ou spas holísticos, que disponibilizam tratamentos como shiatsudo-inyogatai-chi-chuan, acupuntura, massagem bioenergética, reiki, etc. Os tratamentos holísticos veem um problema de saúde não apenas na sua vertente física, mas também como o resultado de desequilíbrios energéticos e emocionais.

Faz parte de a natureza humana estabelecer categorias, prioridades e até preconceitos, por isso é comum escutar que esta ou aquela profissão são as más importantes ou as que têm os profissionais mais respeitáveis. O desenvolvimento da sociedade tem levado ao surgimento de uma grande variedade de profissões mais específicas de que aquelas tradicionais: medicina, direito, engenheiria, biologia, pedagogia, sociologia, economia. Mas, ainda assim, todas possuem seu valor, devem ser exercidas com dignidade, ética e com um verdadeiro interesse social e ambiental.

O professor de Educação Física é dos poucos profissionais que tem o privilégio de lidar com o ser humano de maneira integral, sua ação atinge os aspetos físicos (motricidade, fisiologia, força, flexibilidade), aspetos psicológicos (autoconfiança, autoestima, desenvolvimento cognitivo), aspetos sociais (interações sociais, trabalho em equipe, competitividade, ética) e aspetos espirituais (moral).
O professor de Educação necessita harmonizar o desenvolvimento do corpo físico com o desenvolvimento
de habilidades sociais e cognitivas para o verdadeiro desenvolvimento integral do ser humano. Não é suficiente entregar uma bola ou desenvolver uma rotina de exercícios para uma criança e dizer que se está contribuindo com o desenvolvimento da criança. É necessário que cada ação, cada objeto, cada estratégia tenham a intencionalidade de mudar a realidade para uma situação muito melhor.
D.E.F

DISCIPLINA: NUTRIÇÃO APLICADA A ED.FÍSICA
PROFESSOR (A): JULIANA GOMES
TITULAÇÃO: DOUTORA

DATA: DEZEMBRO/2017
CARGA HORÁRIA: 60H/A

EMENTA

Conhecimentos básicos de alimentação e nutrição, função dos alimentos e suas necessidades, importância de alimentos adequados no período de treino, competição e recuperação do atleta bem como na prevenção de doenças crônicas não transmissíveis.

OBJETIVOS

Habilitar o profissional de Educação Física para responder ao cenário educacional e suas demandas, preocupando-se com a conduta ética, consciente da sua responsabilidade em relação ao meio ambiente, além de executar tarefas com criatividade, autonomia, flexibilidade e espírito crítico, sendo capaz de compreender a diversidade cultural como elemento de inclusão social e ter atitudes que favoreçam a cultura da paz.

  CONTEÚDO PROGRAMÁTICO

1.     Introdução à nutrição: conceitos, leis da alimentação, pirâmides alimentares.

2.    Macronutrientes e principais micronutrientes: função e fontes alimentares

3.    Orientações nutricionais nos diferentes ciclos de vida.

4.    Cálculo do valor energético dos alimentos.

5.    Cálculo das necessidades energéticas: métodos de avaliação da ingestão alimentar e estimativa de gasto energético.

6.    Bioenergética: transformação de energia, produção de energia, vias metabólicas (ATP-CP, aeróbias e anaeróbias).

7.    Recomendações nutricionais para praticantes de atividade física.

8.    Recomendações nutricionais para atletas.

9.    Nutrição e doenças crônicas não transmissíveis. 

10.  Alimentos funcionais.

11. Recursos ergogênicos e suplementos alimentares.

12. Doping esportivo

13. Estratégias de Promoção de Alimentação Saudável para grupos.

 

·         METODOLOGIA
Aula expositiva com recursos visuais.

Aula prática demonstrativa.


·         AVALIAÇÃO

Trabalhos em sala;

1 Avaliação com 20 questões objetivas

1 Trabalho na sistemática Ead


Biomecânica disciplina derivada das ciências naturais que se preocupa com a análise física dos sistemas biológicos, examinando, entre outros, os efeitos das forças mecânicas sobre o corpo humano em movimentos cotidianos, de trabalho e de esporte.

Link de acesso ao material: 


https://drive.google.com/open?id=1deIthm30ZHuL7V_GK0p7g5GSc-RJnUMj


Disciplina: Epidemiologia e Saúde


Aulas Presenciais:

14/10 – 1o Encontro

28/10 – 2o Encontro


Objetivos:

Introduzir aspectos da Epidemiologia e técnicas de análise.


Ementa:

História da Epidemiologia. Conceitos básicos. Indicadores de Saúde. Estudos de

Mortalidade. Medidas de ocorrência de doenças. Prevalência, incidência. Fundamentos

metodológicos da epidemiologia. Aplicações da epidemiologia: doenças infecciosas,

vigilância epidemiológica, doenças não-infecciosas, serviços de saúde e qualidade dos

serviços de saúde. Medidas de associação. Causalidade. Aplicações em solução de

problemas práticos a partir de análise de artigos científicos de periódicos e anais de

congressos. Importância da atividade física para saúde pública.

Avaliação:

A avaliação será no sistema de EAD contando de 20 questões objetivas.

Ementa:

Estudo das bases farmacológicas envolvendo a cinética e a prescrição de fármacos. Descrição do efeito dos fármacos nos sistemas vivos e seus os efeitos tóxicos. Ações alternativas na farmacologia

Objetivo Geral:

Promover a articulação fisio-farmacológica com a finalidade de preparar para a terapêutica farmacológica do paciente odontológico. Promover a utilização ética dos fármacos na terapia do paciente odontológico.

Objetivos específicos:

- Estimular o aluno a compreensão sobre USO RACIONAL DE MEDICAMENTOS relacionando eficácia, objetivos do tratamento, segurança, conforto para o paciente, tratamento não farmacológico e custo financeiro do tratamento medicamentoso;

- Promover, através do ensino de farmacologia baseada em problemas e em evidências clínicas, dinâmicas relacionadas com situações cotidianas da prática odontológica;

- Conhecer o mecanismo de ação dos fármacos nos sistemas orgânicos; - Despertar a preocupação e o reconhecimento da relevância de se conhecer os riscos e os benefícios das associações entre medicamentos e da terapêutica em pacientes que com necessidades especiais.

Unidades de Ensino:

UNIDADE I: FARMACOLOGIA BÁSICA; UNIDADE II: FARMACOLOGIA CLÍNICA; UNIDADE III: SISTEMA NERVOSO AUTÔNOMO; UNIDADE IV: FARMACOLOGIA DA DOR E DA INFLAMAÇÃO; UNIDADE V: FARMACOLOGIA CARDIOVASCULAR; UNIDADE VI: FARMACOLOGIA ENDÓCRINA UNIDADE VII: PRINCÍPIOS DA ANTIBIOTICOTERAPIA

UNIDADE VIII PSICOFARMACOLOGIA


Curso de extensão em INICIAÇÃO AO FUTSAL
Planejamento de aulas/sessões de treinamento para crianças e jovens.

O Curso de Extensão em Iniciação ao Futsal está com matrículas abertas para profissionais de Educação Física, e para quem deseja se capacitar para atuar em escolas, escolinhas, programas sociais e equipes de base.

✅ Sobre o curso:
O curso aborda temas referentes aos aspectos de ministrar aulas e treinos de futsal para crianças e jovens. Com o curso você será capaz de montar e aplicar aulas e treinos de futsal para crianças e jovens. Você também ampliará seu conhecimento sobre como trabalhar com crianças e jovens entre de 7 a 16 anos que jogam ao nível básico. Isto lhe permitirá auxiliar de um treinador que trabalhe num nível mais elevado de Futsal. Sendo treinador de Futsal, em uma situação de voluntário, você terá uma experiência muito agradável e ao mesmo tempo responsável.

 Metodologia: O curso terá duração de 80 h/aulas e será realizado utilizando a metodologia em EAD (on-line). O aluno matriculado receberá o material do curso via e-mail e terá acesso através de sua senha no ambiente Moodle onde acessará artigos e vídeos de apoio. O certificado será enviado para seu endereço cadastrado em até 15 dias após a conclusão do curso

✅ Professor: Dr. Rogério da Cunha Voser

✅ Realização e Certificação: MOVIMENTE-SE EDUCAÇÃO E CONSULTORIA ESPORTIVA.
CNPJ.: 17.756.427/0001-17

✅ Apoio: CREF5

✅ Conteúdo do Curso:

• Demonstrar habilidade para organizar, supervisionar atividade de futsal com crianças e jovens de maneira segura e efetiva;
• Promover e estabelecer relacionamentos positivos com os atletas, pais, dirigentes, árbitros e com todos que estão envolvidos no ambiente esportivo;
• Demonstrar a compreensão ao desenvolver as atividades de ensino do futsal;
• Demonstrar habilidade para identificar e adaptar as atividades e sessões de futsal para uma variedade de idades e níveis;
• Demonstrar conhecimento para seu desenvolvimento profissional dentro do Futsal que inclui a função de ser treinador e supervisor.

Investimento:
SEM CREF R$ 119,99
COM CREF R$ 90,00

✅Sobre o professor: Dr. Rogério da Cunha Voser (rogerio.voser@ufrgs.br)
Doutor em Ciências da Saúde na PUCRS, em 2006. Mestre em Ciências do Movimento Humano pela Escola de Educação Física da UFRGS, em 1998. Especialista em Ciências do Futebol e do Futebol de Salão pelas Faculdades Integradas Castelo Branco Centro Educacional de Realengo, em 1990. Licenciado em Educação Física pela ESEF-UFPEL, em 1988. Graduado em Fisioterapia pela ULBRA, em 1999. Foi atleta de várias equipes de Futsal do estado, atuou na Espanha, preparador físico do Inter/ULBRA e técnico da equipe juvenil da ULBRA. Tem experiência em escolas do município e particular. Consultor de vários cursos de Graduação e Especialização. É avaliador de Cursos Superiores e.MEC-INEP. Atualmente é Professor Associado nível 2 da Escola de Educação Física, Fisioterapia e Dança da Universidade Federal do Rio Grande do Sul nas Disciplinas de Futsal, Supervisão de estágio do Bacharelado e de TCC1 e TCC2. Na mesma Instituição é professor e orientador no Programa de Pós Graduação Stricto Sensu em Ciências do Movimento Humano onde ministra a disciplina Estudos Avançados em Esporte e Rendimento, é coordenador da Comissão de Graduação COMGRAD - ESEFID/UFRGS. É um dos lideres do Grupo de Estudos em Esporte (GEE) da UFRGS/CNPQ. É coordenador do Programa Institucional de Bolsa de iniciação à Docência/PIBID - Educação Física da UFRGS. Desenvolve Projetos de Extensão Universitária na área do Futsal. Já trabalhou também na ULBRA, PUCRS, Facos e São Judas Tadeu/RS. Ministra cursos de Futsal e Iniciação aos Esportes por todo o Brasil (extensão e pós-graduação). Autor dos livros Iniciação ao futsal: abordagem recreativa; Análise das Intervenções Pedagógicas em Programas de Iniciação ao Futsal; A Criança e o Esporte: uma perspectiva lúdica; Futsal: princípios técnicos e táticos; Futsal e a Escola: uma perspectiva pedagógica; Futebol: História, Técnica e Treino de Goleiro; Ensino dos Esportes Coletivos: uma abordagem recreativa; PIBID na Educação Física: uma proposta metodológica e práticas para o ensino

Psicologia do Esporte aplicada ao treinamento de corrida

Sejam todos bem vindos ao ambiente virtual. Nesta plataforma iremos expor inúmeros conteúdos a cerca da psicologia do esporte e sua aplicabilidade em corredores. Temos vídeo aulas gravadas, vídeos compartilhados, tópicos relacionados a disciplina, tarefas a serem realizadas por vocês dentro do prazo estabelecido pela plataforma e muitos outros recursos que possibilitem o aprendizado de forma simples e eficaz.


Material complementar :

Link: http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1981-91452007000100007

Disciplina: MÉTODO PILATES
Docente: Profo. Dr. Leandro Firmeza
Carga Horária: 40 horas


Ementa: Estudo do método Pilates de condicionamento físico. Tipos de variação do método no treinamento. História e origem do método. Exercícios básicos, intermediários e avançados.

Objetivos:
- Conhecer e aprender sobre a metodologia do método Pilates na aplicação em crianças, adolescentes, idosos e adultos.

Metodologia:
- Expositivo e de apresentação corporal
- Ativa e dinâmica
- Dialogada

Avaliação:
- Trabalhos em grupos
- Avaliação ativa (exposição oral)
- Avaliação dialogada

Bibliografia:
Stephenson J. Core training: designing a program for anyone. Strength Cond J 2004;26(6):34-37.
Dias, Kalysson Araujo. Treinamento funcional: Um novo conceito de treinamento físico para Idosos.
Cooperativa do Fitness.

Swanik KA, Swanik CB, Lephart SM & Huxel K. (2002) The effect of functional training on the

incidence of shoulder pain and strength in intercollegiate swimmers. Journal Sport Rehabilitation; 11.

140-154